Hóspedes compram experiências no Airbnb

Além de intermediar aluguel e hospedagem, plataforma encurta caminhos para quem quer viver experiências autênticas e aventuras. Por Viviane Zandonadi

Costa Amalfitana. Foto: iStock
A Itália concentra a maior parte das experiências gastronômicas mais populares no Airbnb. Amalfi (foto) divide com Sorrento, Positano e Salerno a posição de base ideal para explorar a Costa Amalfitana. Foto: iStock

A perfumada e marítima Costa Amalfitana é conhecida como um dos lugares mais lindos da Itália. E do mundo. A primeira parada, depois de uma hora de trem a partir de Nápoles, é Sorrento, onde começa a famosa estrada Costiera Amalfitana. Repleta de curvas perigosas à beira de abismos, ela revela distrativas e belíssimas paisagens até alcançar o outro extremo, Salerno. Entre um ponto e outro, o percurso contém uns 60 quilômetros e muitos vilarejos cravados nas encostas e outras cidades importantes, a exemplo da concorrida Positano e de Amalfi, a maior de todas. Ali, a poucos metros da Piazza Duomo, no centro, é possível alugar pelo Airbnb um apartamento do tipo estúdio.

Costiera Amalfitana. Foto: iStock
A partir de Sorrento e repleta de curvas perigosas à beira de abismos, a Costiera Amalfitana percorre lindas paisagens até alcançar o outro extremo, Salerno. Entre um ponto e outro, o percurso contém uns 60 quilômetros e muitos vilarejos cravados nas encostas e outras cidades importantes, a exemplo da concorrida Positano e de Amalfi, a maior de todas. Foto: iStock

 

O anúncio e as fotos prometem um espaço recém-reformado, limpo e bem localizado, com cozinha, banheiro, ar-condicionado quente e frio, televisão, internet e todas as funcionalidades e itens de conforto para estar em paz e para, a partir dali, explorar a região costeira sem pressa, saborear os dias, desdenhar das horas, contemplar o Mediterrâneo, arrastar sandálias por ruas, escadarias e calçadas à beira-mar. Ler, passear, fazer nada, ver a vida passar. Tudo fácil. Beber e comer bem? Simples. Comprar os ingredientes locais mais frescos e preparar um jantar? Sem problemas. A diária custa 160 dólares, para duas pessoas – os inquilinos ficam com a chave e têm acesso livre durante toda a estadia. Este é apenas um exemplo (real) de hospedagem oferecida por um superperhost. O selo, segundo o Airbnb, é uma distinção e uma conquista: “superhosts são anfitriões experientes e muito bem avaliados, comprometidos em fornecer estadias excelentes para seus hóspedes”.

Imagine, portanto, que você está lá, em “seu” estúdio, por uns dias. Entre as muitas possibilidades, uma ideia é participar de uma experiência local bastante autêntica em uma casinha típica no centro histórico de um vilarejo chamado Meta, mais para dentro do continente e nos arredores de Sorrento. Por 43 dólares, cada participante só precisa dar conta do deslocamento, levando apetite e disposição para aprender e comer bem. No local, o casal de anfitriões Giò e Sacha dá uma aula de culinária que inclui jantar completo e bebidas. A duração é de duas horas e meia. Como provavelmente todo mundo vai beber um pouco de vinho nessa noite, o ideal é ir de trem e os anfitriões fornecem todas as dicas para chegar com tranquilidade – e uma agradável caminhada de cinco minutos até a casa deles. “Vamos começar com os aperitivos, uma seleção de produtos locais da estação”, explica o anúncio do programa. “Então, ensinaremos a preparar, do zero, o nhoque à Sorrentina. Juntos, vamos fazer um molho de tomate clássico napolitano.” A sobremesa é tiramisù, que pode ser preparado com uma receita especial à base de limoncello [bebida local] no lugar de café. É uma atividade do tipo “mão na massa”, em que são transmitidas receitas, habilidades e dicas de culinária. Junto de um vinho regional tinto ou branco, todos os preparos serão servidos para o grupo na hora do jantar.


OUTRAS VIAGENS

A plataforma da startup norte-americana Airbnb é um desses serviços que ajudam a mudar, e muito, o jeito de o viajante escolher sua hospedagem e planejar a viagem inteira. Esse tipo de produto favorece a autonomia e oferece uma vivência menos impessoal do que a média dos hotéis tradicionais. O aplicativo também transforma a relação do proprietário com o imóvel, ao apresentar a oportunidade de, sem muito embaraço, ganhar dinheiro de um jeito temporário ou durante o ano todo, em um lugar que de outra forma talvez ficasse ocioso.

A essa altura, aliás, todo mundo conhece pessoalmente, ou conhece quem conhece, as características da startup de hospitalidade fundada na Califórnia em 2008. Quem já recorreu ao serviço de corretagem online teve, no quesito onde ficar (ou quem receber), uma (ou mais) experiência ótima, boa ou talvez ruim – o que a comunidade do aplicativo trata de regular com mais ou menos estrelas, comentários, avisos e recomendações.

À parte dos questionamentos e desafios impostos aos negócios pelo surgimento e pela consolidação da plataforma e de seu funcionamento, entre mercado imobiliário, agências, hotéis, usuários e condomínios, fica claro que faz tempo que não viajamos mais do mesmo jeito. A internet e as plataformas, como o Airbnb, permitem que o esquema seja cada vez mais personalizado. Não importa se o destino é um castelo na França, uma casa acolhedora para dividir com os amigos na Toscana, um apartamento compacto e funcional em Barcelona para trabalhar ou estudar por um tempo. Nova York ou Berlim em família. São Paulo, Rio, Tóquio, Bangcoc. Tudo a seu modo.

Há filtros para inúmeras demandas: do retiro ou isolamento ao mergulho profundo na cultura local, passando pelo simples descanso. Em 2016, pouco mais de oito anos depois de sua estreia, o Airbnb lançou o produto Experiências. São pacotes avulsos e que incluem desde roteiro de visitação a vinícolas a aula-almoço de massas italianas – para ficar só no que tem relação com comida e bebida, mas o cardápio é variado, cheio de atrações e passeios temáticos para interesses múltiplos.

AS EXPERIÊNCIAS DE COMIDA E BEBIDA SÃO AS MAIS RESERVADAS EM TODA A PLATAFORMA DO AIRBNB. AS ATIVIDADES NA ITÁLIA FAZEM MAIS SUCESSO

Funciona assim: você já sabe que estará em determinada região em tal período e quer incluir na programação uma visita guiada, uma aula, um concerto seguido de um jantar, um passeio por um bairro atraente e menos óbvio, uma investigação dos cantinhos literários mais interessantes, a imersão em oficinas de fabricantes de queijo.

Enfim, mil possibilidades – atualmente, na verdade, a plataforma reúne 25 mil atrações em mais de mil destinos pelo mundo. O produto é uma engrenagem de hospitalidade e atendimento que movimenta a economia local e envolve moradores e profissionais de áreas diferentes. Gente com repertório em determinado assunto oferece uma experiência legítima – e um tipo de curadoria – para quem se interessa pelo tema.


VEJA TAMBÉM


 

Receba mais conteúdo por e-mail


Posts relacionados