Veja na edição de agosto da revista do Clube Paladar: ‘o conhecimento é o mais potente dos afetos’

No prazer de conhecer (saber, experimentar e interpretar), mora a filosofia de viver melhor nestes ‘desafiantes dias de Brasil’. Por Viviane Zandonadi

Montagem com as capas da revista do Clube Paladar nas últimas seis edições. Edição das revistas: Viviane Zandonadi. Edição de arte e crédito das capas: Renata Maneschy. Fotos: iStock
Montagem com as capas da revista do Clube Paladar nas últimas seis edições. Edição: Viviane Zandonadi. Edição de arte e composição das capas: Renata Maneschy. Fotos: iStock

Atenção: nesta página você encontra os links para baixar o pdf das seis últimas edições da revista do Clube Paladar


A leitora e o leitor sabem: tragados pelo cotidiano, permitimos que a realidade sequestre os espaços de delicadeza. Se não dá para ignorar as asperezas, ao menos podemos polir o arrepio dos dias – seja em uma taça no começo da noite, seja com um Porto e um livro na poltrona preferida, seja reunindo os amigos para rir do que (parece) não tem remédio. É sempre bom e importante lembrar que, ao juntar sabor e emoção, enchemos o cantil de repertório que vai servir de combustível nas jornadas.

O filósofo diz que o conhecimento é o mais potente dos afetos. Escrevo este texto no dia 31 de julho de 2019. Pela janela do escritório, nos jornais do dia sobre a mesa, nas vozes do rádio e nas postagens circulantes, a gente se espanta. E para enfrentar, como faz? Parece que falta afeto. E conhecimento. Penso que também falte espaço. É preciso achar lugar para o prazer no cotidiano. E se jogar nele.

‘Ao juntar sabor e emoção, enchemos o cantil de repertório que vai servir de combustível nas jornadas’

Vejo aqui que quando um leitor pergunta ao escritor cearense Lira Neto “como seguir saudável na maré de obscurantismo”, o autor sugere a sabotagem: ‘ler literatura, assistir a bons filmes, frequentar exposições de arte, ir à roda de samba, dançar forró, amar. Cultivar subversiva alegria. Contra a pulsão de morte, só a anarquia da felicidade’. Boa. Gosto disso. Vamos então acrescentar ao farnel da sabotagem, sempre que possível, beber bons vinhos, comer refeições gostosas e seguir junto de quem amamos. Com açúcar, afeto e verdade, dá para atravessar a corrosão dos dias. Vai dar para frear seu avanço? Quem viver verá.

***

‘Olha só:’ nesta encarnação, que começou em março de 2019 e termina agora, em agosto, a revista do Clube Paladar se move pelo conhecimento compartilhado sobre vinhos, comida, viagens e até o saber literário. Dá para dizer que estamos espalhando afeto? Sim. E lindeza? Sempre e muita. E como nos orgulhamos do que fizemos, resolvemos estampar nesta página as bonitas capas das edições produzidas nos últimos seis meses em que estivemos juntas e juntos. A vida pode ser boa. Vamos viver. Façam o mesmo. Sabotem a corrosão dos que querem atropelar essa verdade.

Agradecida pela leitura, desejo a todos tudo de bom 🙂


  • Para ver a edição de agosto, que nesta semana começa a ser entregue aos assinantes, acesse aqui

Montagem com as capas da revista do Clube Paladar nas últimas seis edições. Edição das revistas: Viviane Zandonadi. Edição de arte e crédito das capas: Renata Maneschy. Fotos: iStock
Montagem com as capas da revista do Clube Paladar nas últimas seis edições. Edição: Viviane Zandonadi. Edição de arte e composição das capas: Renata Maneschy. Fotos: iStock

 


EDIÇÕES ANTERIORES


 

Receba mais conteúdo por e-mail

Veja mais sobre

Posts relacionados