Um filme e um vinho para cada lugar: Chile, Argentina e Uruguai

Faça um tour latino-americano com filmes e vinhos e conheça mais sobre a cultura desses países e os seus sabores

tour latino americano

Adaptando um antigo ditado, “nem só de Hollywood vive o homem”. Apesar de esse ser o centro das atenções quando nos referimos a filmes, há muitos outros lugares com produções cinematográficas incríveis e… Bom, não precisamos ir muito longe para encontrá-las.

Por meio desse tipo de arte, dá para conhecer e absorver grandes características culturais de um país ou uma região. E se você já cultivou algum interesse sobre nossos vizinhos latino-americanos, esta é a sua chance de saber mais.

No que se refere a filmes na América do Sul, três nomes se destacam: Uruguai, Argentina e Chile. Não basta, no entanto, uma história de cinema para que a experiência seja completa. Que tal, então, assistir a um filme de cada um desses países com uma bela taça de vinho típico em mãos?

Chile

(Fonte: VisualHunt)

O povo chileno respeita muito a literatura, tendo a poesia como uma de suas principais manifestações culturais. Não é à toa que Pablo Neruda, poeta chileno, é um dos nomes mais famosos do mundo quando o assunto é poesia. Ganhador do prêmio Nobel de Literatura em 1971, ele fez com que os holofotes se voltassem para o Chile.

E já que estamos nos referindo tanto à cultura, é válido citar não apenas qualquer filme produzido no Chile, mas um que aborde um momento marcante na história do país.

Colônia (2015)

(Fonte: Choices/Reprodução)

Esse filme, baseado em uma história real, se passa no difícil período de ditadura liderada pelo General Augusto Pinochet. Durante o golpe militar de 1973, um casal alemão acaba se envolvendo em uma confusão nas ruas de Santiago.

Com isso, o personagem Daniel (interpretado por Daniel Bruhl) é levado pelas tropas chilenas para um local misterioso chamado Colonia Dignidad — que, à época, servia como um centro de tortura de prisioneiros políticos do Estado. A aeromoça Lena, sua namorada (interpretada pela atriz Emma Watson), decide salvar seu parceiro, infiltrando-se como uma “voluntária”.

Colonia Dignidad existiu de fato. Foi nesse lugar que ficou instalado o exilado alemão Josef Mengele, famoso por ter sido um dos médicos que atuaram nos campos de concentração de Auschwitz, fazendo experimentos cruéis com os judeus. Na Segunda Guerra, ele recebeu abrigo no Chile e lá encontrou um espaço para continuar seus experimentos.

Para acompanhar…

Nada como um vinho para incrementar um momento agradável, não é mesmo? Para esse filme, recomendamos o vinho tinto da seleção Leyda Cabernet Suavignon, que você pode comprar aqui.

Argentina

(Fonte: VisualHunt)

O país não se destaca apenas por sua excelência no futebol: o cinema, podemos dizer, também é um dos seus pontos fortes. O filme O Segredo dos Seus Olhos, de Juan José Campanella, é considerado um dos melhores filmes do início do século. Outras produções argentinas também se tornaram muito recomendadas ao longo dos anos, dentre elas: O Filho da Noiva (2001) e Medianeras: Buenos Aires na Era do Amor Virtual (2011). Mas, vamos sair do óbvio!

O Clã (2015)

(Fonte: VIX/Reprodução)

O filme do diretor Pablo Trapero é baseado em uma história real. Inspirado em um dos casos policiais mais notáveis da Argentina, o caso da família Puccio promete envolver e intrigar qualquer um. Os Puccios, pertencentes à classe média alta, ficaram conhecidos na década de 1980 pelo sequestro e pela morte de inúmeras pessoas.

O clã era liderado por Arquimedes, o patriarca da família, que tomava as principais decisões com mão de ferro sem deixar transparecer as brutalidades que praticava. Além dele, o grupo era formado por seus dois filhos, Daniel e Alejandro, e por outros dois amigos, Roberto e Guilhermo.

Para acompanhar…

Essa dica vale tanto para O Clã quanto para o filmes citados anteriormente. Para uma experiência inesquecível, recomendamos o vinho branco Dante Robino da seleção Chardonnay, que você pode comprar clicando aqui.

Uruguai

(Fonte: VisualHunt/Eduardo Amorim)

Com produções cinematográficas de tanta notoriedade no território argentino, o Uruguai pode acabar ficando ofuscado. Apesar disso, o país merece o devido reconhecimento. Seu principal mérito, talvez, seja transformar orçamentos relativamente baixos e histórias simples em filmes extremamente tocantes.

A Demora (2012)

(Fonte: Portal Amazônia/Reprodução)

Na rua, um idoso tenta acompanhar os passos apressados e impacientes de sua filha. Apesar do esforço, ele não consegue alcançá-la. Essa é uma cena emblemática do filme A Demora, que aborda de maneira genial e sensível um problema familiar recorrente: o distanciamento entre pais e filhos no aspecto emocional.

O filme do diretor Rodrigo Plá narra a rotina da família de Maria (interpretada pela atriz Roxana Blanco), uma mãe solo de três filhos que vive em constantes dificuldades financeiras. Além disso, ela ainda precisa cuidar de seu pai, Augustín (interpretado por Carlos Vallarino), que sofre com um grave problema de esquecimento. Apesar da situação de fragilidade do pai, Maria se mostra desinteressada por ele — que, mesmo depois de perder-se na rua, não recebe a atenção da filha.

Tais sinais são apenas um pequeno preparo para o espectador assistir ao ato mais frio dela: abandonar seu próprio pai em uma praça de Montevidéu. Essa tocante obra uruguaiana demonstra com maestria as dificuldades que existem quando se envelhece.

Para acompanhar…

A recomendação para A Demora é mais que especial: o vinho tinto Pizzorno Don Prospero Tannat Malbec de 2017. Você pode comprá-lo clicando aqui.

Autoria: Krislany Nascimento Gaiato.

Receba mais conteúdo por e-mail

Veja mais sobre

Posts relacionados