Uruguai uma Jóia Viticultora do Novo Mundo

Viaje conosco e conheça as principais regiões viticultoras do Uruguai.

Uruguai
Tannat - Bodega Bouza

Menos visitado do que seu vizinho do outro lado do “Rio Del Plata”, Argentina, o Uruguai tem seu charme, um blend de arquitetura colonial com o que há de mais moderno, milhas e milhas de belas praias com atmosfera “laid-back”, paisagem ondulante a perder de vista e vinhos, é claro.

Nas próximas semanas irei compartilhar um pouco desse país, descoberto pelos portugueses, colonizado pelos espanhóis e que já até foi anexado ao Brasil em 1821, ganhando o nome de Província Cisplatina.

Bom, mas vamos começar pelos vinhos...

Com verões quentes e brisas oceânicas que livremente atravessam colinas e planícies baixas, condições climáticas semelhantes às da região de Bordeaux, o Uruguai floresce no paladar internacional da produção de vinhos. Alguns vinhedos têm mais de cem anos e já estão na quarta e quinta geração; outros mais novos são propriedades de estrangeiros que se apaixonaram pelo Uruguai, como o caso da vinícola Artesana (uma vinícola boutique de uma viticultora norte-americana e administrada por mulheres).

Até meados do séc. XX, o país produzia apenas vinhos de mesa, menos sofisticados e para o cultivo e consumo local. A partir dos anos 70, videiras de clones importados começaram a chegar ao país e as vinícolas começaram a se concentrar na qualidade. Muitas vinícolas investiram no vinho tinto assinado de Tannat e começaram a carimbar o passaporte no mercado internacional e a conquistar medalhas de ouro e prata em competições internacionais. Adstringente devido ao alto índice de taninos, as uvas originalmente do sudoeste da França foram plantadas pela primeira vez em 1870 por imigrantes bascos. Adaptando-se perfeitamente ao clima e ao solo, o Tannat tornou-se a variedade tradicional do Uruguai, produzindo vinhos tintos ricos e encorpados com aromas de frutas negras e especiarias. Os produzidos no país têm grande estrutura e capacidade de envelhecimento, já os franceses geralmente precisam ser colhidos antes do tempo.

Hoje, a produção de vinho representa 14% da produção agrícola. Diferente da Argentina e do Chile, o país com vinícolas de baixa produção mantém a tradição de vinificação dos imigrantes espanhóis e italianos. Existem aproximadamente 250 vinícolas produzindo cerca de 10 milhões de caixas por ano. Em comparação, a maior bodega chilena produz mais vinho que todo o Uruguai. Muitas bodegas uruguaias operam como empresas familiares, algumas transferidas de geração para geração, e a colheita feita à mão reflete tanto o terroir como o estilo e a personalidade de cada enólogo.

Há outras variedades de vinhos produzidos no Uruguai, incluindo Cabernet Sauvignon, Merlot, Cabernet Franc, Tempranillo, Sauvignon Blanc, Albariño e Viognier.

A indústria do vinho uruguaio oferece uma abundância de opções de enoturismo. Suas regiões pitorescas estão a curta distância e podem ser facilmente exploradas a partir de Montevidéu.

Regiões vitivinícolas do Uruguai

Canelones

A maior e mais importante região viticultora do país é Canelones (a vinícola mais próxima, cerca de 15 km e a mais afastada mais ou menos 50 km da capital), onde se produz mais de 60% da produção. Produtores reconhecidos: De Lucca, Pizzorno, Marichal, Carrau, Pisano, Familia Deicas, Viña Progreso, Artesana e a famosa entre os brasileiros, a Botega Bouza.

Montevidéu

Algumas das vinícolas mais antigas ainda estão localizadas na cidade, todavia com a urbanização da capital, a maioria das vinhas se mudou para demais regiões.

Maldonado

Enquanto Canelones é o passado e o presente do vinho uruguaio, Maldonado se torna o futuro. Nenhuma outra região tem a mesma extensão de desenvolvimento e investimento. As variedades da região variam de brancos frescos como Albariño, Viognier, Sauvignon Blanc e Riesling, vermelhos leves como Pinot Noir e Sangiovese, e vermelhos robustos como Cabernet Franc, Merlot e Tannat, é claro. Produtores reconhecidos: Alto la Ballena, Garzon, Eden e Bouza (Pan de Azucar).

Atlantida

Atlantida está situada entre a cidade de Montevidéu e Maldonado na costa. Esta é uma pequena região vinícola que compartilha as mesmas características climáticas das vinhas de Maldonado com a brisa costeira e temperaturas mais frescas do que Canelones. Produtor reconhecido: Viñedo de los Vientos.

Rocha

Rocha é a região costeira mais oriental, continuando de Maldonado até a costa brasileira. Ela compartilha as mesmas características de Maldonado, mas é pouco explorada em termos de vinhas até o momento.

São José

Entre Colonia e Montevidéu, San José compartilha características da capital e Canelones. Seu Tannat é bem reconhecido, assim como seu Sauvignon Blanc.

Colonia del Sacramento

Colonia também é um hotspot para desenvolvimento de vinhas no momento, porém os novos investimentos são muito menores e direcionados para o consumo próprio. O Sauvignon Blanc ganha destaque entre outras variedades. Produtores reconhecidos: Narbona, Campotinto, El Legado.

Durazno

Mesmo no meio do país, abaixo do Lago Rincon del Bonete, Durazno é uma região com um clima mais quente e que permite um amadurecimento adequado das variedades de colheita tardia, como Cabernet Sauvignon. Produtor reconhecido: El Capricho

Rivera

No extremo nordeste do Uruguai, Rivera faz limite com a região vinícola da Campanha Gaúcha no Brasil. A região é adequada para Tannat e Cabernet Sauvignon. Produtor reconhecido: Carrau (Cerro Chapue).

Paysandu, El Salto, Artigas

Essas três regiões alinham a frente norte-ocidental do Uruguai ao longo do Rio del Plata. Região para os tintos com alto índice de maturação e graduação alcoólica elevada. Produtores reconhecidos: Bodega Bertolini & Broglio e a Bodega del Salto Chico.

Gosta de roteiros na América do Sul? Confira também a viagem para Catagena, aqui.

Texto – Reggie Oliveira é turismólogo, consultor e concierge de luxo gastronômico. Especializou-se em Nova Iorque (1997-2003) e foi lá que colocou os pés na gastronomia. Adora fotografia e não pensa duas vezes antes de embarcar em uma viagem. Trabalhou como concierge corporativo para consulados, organizações e em grandes empresas sempre nos núcleos de turismo, eventos e gastronomia. 

Fotos: Divulgação (Bouza e UruguaiNatural)

Receba mais conteúdo por e-mail

Veja mais sobre